Filme em que Xuxa aparece nua tem direitos disputados na Justiça.

News,

Filme em que Xuxa aparece nua tem direitos disputados na Justiça.

No dia 23 de março, um despacho, publicado no Diário da Justiça do Rio de Janeiro, convocou o cineasta Aníbal Massaíni Neto e o advogado Luiz Claudio Moreira, diretor comercial da Xuxa Promoções, a comparecer a uma audiência conciliatória.

Os dois concordaram e devem se encontrar, neste mês, na 2º Vara Cível da Barra da Tijuca (a data ainda não foi agendada). Será a primeira tentativa de pôr fim a um processo que corre desde fevereiro de 2010.

Massaíni, produtor de “Pelé Eterno”, e Moreira, braço direito da apresentadora Xuxa Meneghel, brigam pelos direitos do filme “Amor Estranho Amor”, de Walter Hugo Khouri (1929-2003).

A apresentadora Xuxa Meneghel no centro de SP durante o lançamento do filme "Amor Estranho Amor" em 1982.

Produzido por Massaíni –e protagonizado por Tarcísio Meira e Vera Fischer–, o filme, de 1982, tornou-se um “cult” em função de uma cena em que Xuxa, então uma jovem atriz, aparece nua com um menino de 12 anos (à época, ela ainda não apresentava programas infantis).

Relançado em 1987 e 1991, “Amor Estranho Amor” foi assistido por mais de 1 milhão de pessoas. Em 1992, já “rainha dos baixinhos”, Xuxa conseguiu proibir, judicialmente, que o filme fosse lançado em vídeo (alegou que o contrato dizia respeito apenas à veiculação em salas de cinema).

Em seguida, para blindar-se em definitivo de seu passado, comprou de Massaíni os direitos para o cinema. Ficou acertado que a renovação seria anual, a um valor de US$ 60 mil (R$ 97 mil).

De 1992, quando o contrato foi firmado, a 2009, quando foi extinto, Massaíni embolsou, pelo silêncio do filme, mais de R$ 1 milhão.

Dois anos atrás, em vez de cobrar o pagamento, aguardou o prazo (17 de maio) expirar. Cinco meses depois, enviou um e-mail a Moreira, alegando que “a não renovação do nosso Instrumento de Cessão implicou em sua extinção”.

“Como não me procuraram, fiquei quieto”, disse. “Queria relançar o filme.”

Fonte: FOlha