Delegado diz que ficou constrangido com investigação em unidade chefiada por ele

News,

Delegado diz que ficou constrangido com investigação em unidade chefiada por ele

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O titular da Delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), Cláudio Ferraz, classificou o lacre imposto à delegacia que chefia de “constrangimento”. A unidade, localizada na zona portuária do Rio, foi fechada hoje (14) cedo, por determinação do chefe da Polícia Civil, Alan Turnowski.

A Draco é uma das unidades especializadas da Polícia Civil que está sendo inspecionada pela corregedoria do órgão desde que foram deflagradas as prisões da Operação Guilhotina, na última sexta-feira (11). Foram presos policiais militares e civis na operação. Um dos presos é o ex-subchefe operacional da Polícia Civil, delegado Carlos Antônio Luiz Oliveira.

Segundo o corregedor-chefe, Gilson Emiliano, o objetivo da varredura é confirmar indícios de irregularidades em licitações públicas e extorsões de policiais a empresários. A denúncia teria partido de Turnowski e feita ao secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame.

De acordo com Turnowski, dois documentos originais que apuravam fraudes em licitações realizadas por uma prefeitura da Região dos Lagos e que contêm as assinaturas do delegado da Draco e de um inspetor foram arquivados. O chefe da Polícia Civil foi intimado a depor na última sexta-feira, como testemunha, na sede da Polícia Federal. Ele negou que a ordem seja uma represália a Ferraz.