Conecte-se conosco

Saúde

New York Times – Detetives Médicos encontram sua pirmeira doença desconhecida.

Publicados

em

Os Problemas médicos de Louise Benge começaram quando ela tinha 25 anos. Andar a pé se tornou insuportável. Suas

As pérnas e pés de Paula Allen foram verificadas para verificar o fluxo de sangue. O exame foi feito em uma clínica em Bethesda, Md. Ela e suas duas irmãs e dois irmãos sofriam de dor semelhante em suas extremidades.

 panturrilhas ficaram duras como pedras, e cada passo era uma agonia. Suas mãos começaram a doer também. E a condição, qualquer que fosse, só piorou ao longo das próximas duas décadas.

O médico da família Benge em Mount Vernon, KY, estavam perdidos, assim como o especialista vascular, o especialista em mãos e o especialista em rins. Suas duas irmãs e dois irmãos tinham o problema também, mas nenhum médico poderia descobrir o porquê.

Era evidente a partir de raios-X da Srta Benge que ela mal conseguia andar: Os vasos sanguíneos das pernas, pés e mãos estavam acumulando depósitos de cálcio, como a dimensão que às vezes as formas dentro de tubos de água. Os depósitos cresceram tão espessos que o sangue mal podia circular. Mas o cálcio cresceu apenas nos vasos sanguíneos das pernas e das mãos, os vasos de seu coração foram poupados, por isso ela não estava em perigo imediato de morte.

Segundo a Srta Benge um médico receitou infusões semanais de uma droga, tiossulfato de sódio pensando que poderia se ligar ao cálcio para que seu corpo pudesse eliminá-lo. Mas a droga não funciona – ele só fez vomitar.

Finalmente, o médico da família da Sra. Benge enviou o histórico médico a uma agência de detetive, o Programa de Doenças não diagnosticadas no National Institutes of Health. Instituído na primavera de 2008, o programa conta com equipes de especialistas que utilizam as mais avançadas ferramentas da medicina e da genómica para tentar descobrir as causas das doenças que têm frustrado os médicos.

A idéia era que a compreensão das doenças raras podem dar idéias para outras mais comuns, disse o Dr. William A. Gahl, diretor do programa.

E, segundo ele, havia um outro motivo.

“Os pacientes que têm doenças raras são, muitas vezes abandonada pela comunidade médica”, disse Dr. Gahl. “Nós não sabemos como tratar, se não temos um diagnóstico. A forma como nossa sociedade trata os indivíduos abandonados é uma medida comum da nossa sociedade. Ele fala sobre como nossa sociedade trata os mais pobres entre nós. “

Com a Srta. Benge e seus irmãos, os investigadores têm as suas primeira doença recém-descoberta. É causada, eles relatam na quinta-feira no New England Journal of Medicine, por uma mutação em um gene que impede que o cálcio seja depositado nos vasos sanguíneos.

Agora que sabem a causa da doença, os pesquisadores têm idéias de como tratá-la. E a descoberta também tem implicações para doenças mais comuns, como doenças cardíacas e osteoporose, em que o cálcio é depositado de forma inadequada.

O desenrolar da doença misteriosa da Srta. Benge começou na semana de 11 de maio de 2009, quando a Sra. Benge, que é de 56, e sua irmã Paula Allen, que é de 51, chegara ao centro clínico no campus da National Institutes of Health.

O Instituto de Doenças não diagnosticadas tinha ouvido de milhares de pacientes, disse Dr. Gahl, 1.700 dos quais enviaram seus registros médicos. Muitos tinham sido Hopkins, da Clínica Mayo e da Cleveland Clinic, e alguns tinham sido os três e estive lá mais de uma vez”, disse ele.

Dr. Gahl e seus colegas estavam procurando pessoas com sintomas incomuns ou pistas incomuns que pudessem estar erradas. Por exemplo, eles estão agora investigando uma doença misteriosa em uma moça com contrações musculares incontroláveis que tornam mais difícil para ela falar, andar e usar suas mãos, que deu a jovem sintomas como os da doença de Parkinson, e que dão meia-idade a queratina a quebrando, uma proteína do cabelo,que chega a sair em pedaços pelos folículos de seu cabelo.

Ms. Benge e sua irmã teve sintomas como ninguém nunca tinha visto antes. Raios-X , Resonancias e imagens de seus pés, mãos mostraram vasos sanguíneos tão entupido com o cálcio que o sangue pode passar apenas espremidos em minúsculos vasos que tinham brotado para contornar os bloqueios. E aqueles minúsculos vasos simplesmente não foram capazes de fornecer sangue suficiente.

Como havia cinco irmãos afectados, os pesquisadores decidiram adotar uma abordagem genética, utilizando técnicas não disponíveis na maioria dos grandes centros médicos. Os pais estavam bem, e que indicavam que a doença pode ser causada por um gene recessivo – cada um dos pais teria uma cópia do gene mutado e uma cópia do gene intacto, e cada criança com a doença que têm duas cópias do gene mutado , um herdado de cada pai.

Isso levou os investigadores a um trecho de DNA de 92 genes. A partir daí, os pesquisadores descobriram informações sobre o gene que foi o culpado. Uma mutação tinha parado de funcionar.

As células usam para fazer o gene da adenosina extracelular, um composto comum que, neste caso, foi necessário suprimir calcificação. Ninguém tinha conhecimento dessa via metabólica, disse o Dr. Manfred Boehm, um biólogo vascular no Centro Nacional do Coração, Pulmão e Sangue.

A descoberta é muito importante, disse o Dr. Dwight Towler, um endocrinologista ósseo da Universidade de Washington em St. Louis, porque pode ajudar os pesquisadores a entender os sinais de calcificação em partes diferentes do corpo.

“Você percebe que eles não têm problemas em todos os lugares”, disse ele da Sra. Benge e seus irmãos. Isso porque a calcificação óssea ea formação dos vasos sanguíneos são perfeitamente coordenada e de diferentes partes do corpo e usam semelhantes, mas sutis mecanismos distintos.

A doença também está em sintonia com uma crescente compreensão da estreita relação entre as células dos vasos sanguíneos e células ósseas. Os investigadores dizem que poderia levar a novos insights sobre a doença cardíaca, em que os depósitos de cálcio nas artérias coronárias, doença valvular, em que o cálcio pode depositar nas válvulas do coração..

Também poderia ajudar a iluminar a relação entre osteoporose, em que o osso é perdido, e doenças cardíacas. Na osteoporose, como as pessoas perdem massa óssea, o cálcio muitas vezes se acumula nas artérias. É como se o cálcio que não está sendo depositado nos ossos fossem para os vasos sanguíneos em seu lugar.

“Acho que isso tem a ver com o fato de que as células que compõem os nossos vasos sanguíneos são da mesma origem das células que compõem o osso,”disse o Dr. Gahl, que também é diretor clínico do National Human Genome Research Institute .

Os pesquisadores já identificaram nove pessoas de três famílias que têm a doença recém-descoberta: a família da Sra. Benge, um paciente em San Francisco e de uma família na Itália. Agora eles estão trabalhando em tratamentos. O mais simples poderia ser a de dar um bisfosfonato, uma droga da osteoporose. Com a mutação genética e diminuição dos níveis de adenosina, os pacientes acabam com altos níveis de uma enzima, a fosfatase alcalina, necessário para fazer depósitos de cálcio. Os bisfosfonatos reduzir os níveis dessa enzima.

Os pesquisadores estão elaborando planos de teste de bisfosfonatos e submetê-los aos comitês de ética para aprovação.

“Esperamos conhecer em três ou quatro meses, se podemos ir em frente “, disse Dr. Gahl.

Publicado no New Yok Times no caderno de saúde.

Traduzido por: Charles de Sena

http://www.nytimes.com/2011/02/03/health/03disease.html?_r=1&ref=health

Comentários via Facebook

Leia também

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *