Cidade de São Paulo teve mais mortes no trânsito do que por assassinatos em 2010, aponta relatório.

Atualidades,

Cidade de São Paulo teve mais mortes no trânsito do que por assassinatos em 2010, aponta relatório.

Apesar de ser o principal fator de percepção de violência da população, a taxa de homicídios está perdendo espaço, na cidade de São Paulo, para as taxas de mortes no trânsito. É o que revelam os números de 2010 divulgados nesta quarta-feira (20) pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), em contraste com os dados sobre a criminalidade nas cidades paulistas expostos, semana passada, pela SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo).

Em todo o ano passado, na capital, o trânsito matou 1.357 pessoas –161 a mais que as 1.196 vítimas de homicídio doloso (intencional) registradas no mesmo período. Um percentual avassalador, mais de 81% desse número, equivale a pedestres e motociclistas que perderam a vida nos 26.370 acidentes registrados nos 12 meses.
Os dados constam do relatório anual de acidentes de trânsito fatais realizado pela CET a partir de registros do IML (Instituto Médico Legal) e boletins de ocorrência de acidentes de trânsito fornecidos pela SSP-SP.
Conforme o balanço, o número de mortos é 1,8% menor que o registrado em 2009, quando foram 1.382 vítimas do tipo –tendência de queda, aliás, verificada pela CET desde 2005. Mesmo assim ainda é grande, entre as vítimas fatais, o percentual de pedestres e motocilistas: entre os mais de 81% que ambos representam no total de mortos, só pedestres equivalem a 46,4% do total –630 mortos em 2010, a maioria homens (73%) e vítimas de atropelamentos por carros (47,7%). Entre os motociclistas, única categoria a apresentar crescimento no número de mortes, em 2010 (11,7%, em comparação a 2009), no ano passado a CET apurou o registro de 478 mortos no trânsito.

Já entre motoristas e passageiros de veículos, houve queda de 9,9% no total de vítimas fatais: os 200 que morreram da categoria ano passado representam baixa em relação aos 222 mortos de 2009, mas o número ainda está muito acima, por exemplo, do total de ciclistas mortos no trânsito –49, contra 61 no ano anterior. Essa foi a categoria em que houve maior queda de óbitos em um ano, 19,7%.

Fonte:Folha UOL