Connect with us

Meio Ambiente

Começou com pé esquerdo? – Código Florestal põe Dilma e Gleise em lados opostos

Published

on

Brasília. O posicionamento da nova chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, sobre o texto do novo Código Florestal pode

Divergências. Posição da ministra Gleisi se assemelha à proposta defendida pela bancada ruralista FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR

indicar o primeiro embate da ministra com a presidente Dilma Rousseff. Como senadora, Gleisi defendeu o texto do novo código no plenário do Senado no dia 9 de maio, duas semanas antes de o projeto, que teve Aldo Rebelo (PCdoB-SP) como relator, ser aprovado na Câmara dos Deputados.
Paranaense, a ministra da Casa Civil saiu em defesa da agricultura familiar. “O relatório do Aldo Rebelo conta com forte aceitação entre produtores do meu Estado, o Paraná. Ali, 86% dos estabelecimentos rurais são da agricultura familiar”, disse a ministra, recém empossada no lugar de Antonio Palocci.
Ela defendeu a dispensa de recuperação da reserva legal para propriedades de até quatro módulos fiscais, que, no Paraná, abrange propriedades de cerca de 80 hectares em média, segundo Gleisi. “Das quase 380 mil propriedades rurais no Paraná, cerca de 320 mil serão beneficiadas se essa medida for aprovada”, disse a ministra.
O texto foi aprovado na Câmara no dia 24 de maio, contrariando as expectativas do Palácio do Planalto.
Decreto. Para ganhar tempo na negociação sobre o novo Código Florestal, a presidente Dilma assinou, ontem, o decreto que prorroga até 11 de dezembro o prazo para que os produtores rurais demarquem as reservas legais de suas propriedades. Assim, os agricultores têm mais seis meses, tempo considerado suficiente pelo governo para concluir a votação do código. A decisão será publicada hoje no “Diário Oficial da União”.
Essa é a quinta vez que o governo dá mais tempo para que os agricultores estipulem suas reservas. O prazo expiraria amanhã.
Fonte:O Tempo Online

Geração de Energia

New York Times – Após avanços, governo Dilma 'mudou de atitude' sobre Amazônia

Published

on

By

Uma reportagem publicada na edição desta quarta-feira pelo jornal americano New York Times afirma que o Brasil teve “grandes avanços” nos últimos anos no combate ao desmatamento da Amazônia, mas que recentemente há sinais de uma “mudança de atitude” do governo.
“Desde que a presidente Dilma Rousseff foi eleita presidente, no final de 2010, há sinais de uma mudança na atitude do governo em relação à Amazônia”, diz a reportagem assinada pelo jornalista Alexei Barrionuevo.
Uma reportagem publicada na edição desta quarta-feira pelo jornal americano New York Times afirma que o Brasil teve “grandes avanços” nos últimos anos no combate ao desmatamento da Amazônia, mas que recentemente há sinais de uma “mudança de atitude” do governo.
“Desde que a presidente Dilma Rousseff foi eleita presidente, no final de 2010, há sinais de uma mudança na atitude do governo em relação à Amazônia”, diz a reportagem assinada pelo jornalista Alexei Barrionuevo.
Fonte: BBC citando New York Times

Continue Reading

Meio Ambiente

Acaba a espera – Fragmentos de satélite desativado caem na Terra, confirma Nasa

Published

on

By

Agência espacial norte-americana não sabe dizer local exato das quedas.
Usuários no Twitter relatam que destroços atingiram o sul do Canadá.

 
A agência espacial norte-americana (Nasa) confirmou neste sábado (24) que o Satélite de Pesquisa da Atmosfera Superior Terrestre (UARS, sigla em inglês) se desfragmentou na atmosfera, com parte dos destroços caindo em solo terrestre durante o início da madrugada.
Restos do satélite atingiram a superfície da Terra entre 0h23 e 2h09 (horário de Brasília), segundo a Nasa. “O satélite estava passando sobre Canadá e África, assim como sobre vastas zonas dos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico”, explicou a agência, que ainda não consegue dizer os locais exatos onde as peças do UARS aterrisaram.
Fragmentos do equipamento podem ter caído na região de Okotoks, uma cidade ao sul de Calgary, no oeste do Canadá, segundo relatos no serviço de microblog Twitter. A Nasa não confirma esta informação, destacando apenas que pedaços encontrados do satélite são de propriedede norte-americana e devem ser devolvidos à agência.
O órgão acredita que fragmentos possam ser encontrados em outros lugares, como na África ou na Austrália. Anteriormente, a Nasa vinha informando que os restos do satélite deveriam se espalhar por uma área de 800 km e que não haveria riscos para a população.
Com quase seis toneladas de peso, o aparelho foi lançado pela Nasa há 20 anos. Desativado em 2005, o equipamento foi se aproximando da Terra por conta da ação solar e da gravidade do planeta. A Nasa esperava que o satélite se fragmentasse em 26 pedaços, com pesos variando entre 1 kg e 158 kg.
O UARS é o maior satélite da Nasa a cair sobre a superfície terrestre depois do Skylab, que se precipitou na zona ocidental da Austrália em 1979.
Fonte:G1

Continue Reading

Meio Ambiente

Nasa ainda não sabe onde cairá satélite de 5,6 toneladas

Published

on

By

Washington, 23 set (EFE).- A Nasa prevê que nesta sexta-feira cairá na Terra um satélite do tamanho de um ônibus que foi retirado de funcionamento em 2005, mas insiste que o risco para as pessoas é “extremamente pequeno”.
A agência espacial americana descartou que o satélite artificial vá cair sobre a América do Norte, embora ainda não possa precisar o lugar do impacto.
“O reingresso deverá acontecer durante a tarde no leste dos Estados Unidos”, indicou um comunicado da agência. “O satélite não estará em trajetória sobre a América do Norte nesse período”, acrescentou.
Segundo a Nasa, “ainda é muito cedo para prever a hora e o local de reingresso com mais certeza, mas os prognósticos serão mais precisos nas próximas 24 horas”.
A probabilidade de algum dos restos do Satélite de Pesquisa da Alta Atmosfera (Uars, na sigla em inglês) atingir uma pessoa é de uma em 3.200, segundo a Nasa.
O aparelho pesa 5,675 toneladas e tem o tamanho de um ônibus.
A previsão inicial era que o satélite cairia no final de setembro ou no início de outubro, mas sua queda foi antecipada pelo forte aumento da atividade solar na semana passada.
Os cientistas da Nasa calculam que o satélite se despedaçará ao entrar na atmosfera e que pelo menos 26 grandes peças sobreviverão às altas temperaturas do reingresso e cairão sobre a superfície da Terra.
Fonte: Uol citando EFE

Continue Reading

Trending

Copyright © 2017 Zox News Theme. Theme by MVP Themes, powered by WordPress.

Bitnami