Serra vincula a Rousseff a la corrupción en el penúltimo debate de las presidenciales en Brasil · ELPAÍS.com

Home » News » Eleição » Serra vincula a Rousseff a la corrupción en el penúltimo debate de las presidenciales en Brasil · ELPAÍS.com

By nesqueci on 27 de outubro de 2010. No Comments

Em um tom monótono e sem muita tensão, os dois candidatos à presidência do Brasil, o social-democrata José Serra, o candidato do Partido dos Trabalhadores, Dilma Rousseff, foi medido nesta manhã no penúltimo debate televisivo antes das eleições domingo. Com poucas notícias: ninguém passou muito longe de seus princípios, enquanto seu rival Serra ligados à corrupção, mencionando que um dos parceiros está sendo investigado. Dilma, por sua vez, puxou boas estatísticas deixada por Lula da Silva, seu mentor e atual presidente, para manter a confortável vantagem que dá nas urnas.

A última pesquisa realizada pela Vox Populi, Dilma dá 49% dos votos, 38% de Serra, candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) em face da segunda volta das eleições presidenciais, realizadas no domingo . Outras pesquisas mostram mais ou menos o mesmo, mostram uma tendência para a distância é maior.

Serra, por isso, decidiu ir ao ataque e fez o favorito a levar a questão da corrupção. Assim, ele citou a recente demissão de um dos parceiros mais próximos na campanha de seu rival, Eren Guerra, investigado pela polícia. “Sua mão direita estava uma mulher que construiu uma vasta rede de corrupção e está sendo investigado por ele”, Serra disse, colocando a sua própria carreira como um contrapeso. “Eu tenho 40 anos no serviço público nunca tive nenhum escândalo no meu ambiente “. No balcão, apontou Rousseff alegações de que um assessor de Serra em sua administração como governador de São Paulo, Paulo Souza, desviou dinheiro para a campanha. Eles também acusaram o adversário de privatização de empresas estatais que lutou na Serra 90.

No entanto, houve tumulto pouco no debate, que também começou há cerca de onze horas da noite, então você não tem um impacto decisivo na campanha. Na verdade, nenhum dos debates anteriores tiveram grande relevância para um público que ultrapassou 25%.

Por ora, Dilma conseguiu manter a campanha longe de questões mais espinhosas. Defender a despenalização do aborto, por exemplo, mudou de idéia para não perder o voto dos religiosos. Pelo contrário, muitas vezes ela tem se refugiado no sucesso económico colhido por seu mentor, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quase venerado no país e que o proposto como candidato. Origem a esta onda está prestes a assumir a presidência do Brasil para o Partido dos Trabalhadores de Lula.

Em um debate um pouco mais quente do que uma semana atrás, mas não atingiu o esperado grau de controvérsia para os desafios “cara” na frente das câmeras, Serra e Dilma têm insistido em discutir sobre questões como a infra-estrutura, tecnologia educação, saúde, emprego, segurança e reforma agrária. Serra Rousseff, acusada de “fazer uma lista de obras”, nem sequer começou em governos anteriores, para introduzir o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o principal do seu mandato como ministro da Presidência e que inclui grandes investimentos em infra-estrutura.

O candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), cobrada sobre a questão da educação e acusou o índio MP da Costa, candidato a vice-presidência na fórmula com Serra, para levar a proposta para remover o programa ProUni, que concede bolsas de estudo estudantes universitários do público.

Contudo, as questões que colocou a “pimenta” na mesa foram os de exploração de petróleo, ligado à discussão repetida de privatização, e os escândalos de corrupção.

O próximo e último debate televisivo será realizada na sexta-feira no canal Globo, Rio de Janeiro.

Serra vincula a Rousseff a la corrupción en el penúltimo debate de las presidenciales en Brasil · ELPAÍS.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *