Em São Paulo (SP) – Protesto perde força, mas leva frango e farofa para Higienópolis

Home » Atualidades » Cotidiano » Em São Paulo (SP) – Protesto perde força, mas leva frango e farofa para Higienópolis

By nesqueci on 15 de maio de 2011. No Comments

Das maisde 50 mil pessoas confirmadas na internet para o ‘churrascão da gente diferenciada’, apenas cerca de mil pessoas, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), foram para a frente do Shopping Pátio Higienópolis neste sábado. Mas não faltou frango, farofa e refrigerante trazidos de casa por alguns estudantes, que ofereciam aos curiosos. Os seguranças do shopping em maior número do que em um sábado comum acompanhavam o ato de perto, mas, segundo a polícia, não houve incidentes.

Segurando uma faixa que dizia ‘pessoais diferenciados’ (sic) entre os braços abertos, o baiano Gerson Carneiro, de 35 anos, destacava-se em meio ao ato contra as mudanças do metrô no bairro. ‘É um protesto contra a exclusão social promovida pelos governos de São Paulo. É uma exclusão atrás da outra’, afirmou.

+ Aliás: Lições do churrascão

Metroviários também aproveitaram a manifestação para distribuir panfletos que pediam aumento salarial para a categoria e outras exigências ‘para garantir um transporte público que atenda toda a população.’

Dentro do shopping, porém, muitos não entendiam a iniciativa. Em frente à entrada, uma senhora comentava: ‘Mas eles estão protestando contra o metrô? Eles também não querem a estação aqui?’, ao que a outra respondeu: ‘Não sei, mas acho que querem. Não dá para entender, né?’

Fonte: Estadão
——————————————————————–

Pra quem não entendeu o movimento, ele é reivindicando uma estaçãod e metrô para o bairro higienopolis, que segundo boatos foi excluido por ser um bairro rico e acharem que ia “queimar” o bairro.
A coisa piorou quando um suposto moradorr falouq ue não queria metrô porque iria atrair gente “diferenciada”, “aquelas pessoas que ficam em volta de metrô nao fazendo nada o dia inteiro e comendo churrascão”.
O comentário discriminatorio inflamou a opnião publica e chamou a atenção para esse ato exclusorio e discriminatorio do governo de São Paulo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *