Aviso

Esta seção contém material impróprio para menores de 18 anos.

Você tem certeza que deseja prosseguir sua navegação em conteúdo probido para menores?

Voltar

Paraguai inicia estado de exceção com mais militares no norte

22:54 Arquivado em: Internacional | Author Name


ASSUNÇÃO (Reuters) – O Paraguai reforçou nesta segunda-feira a presença militar no norte do país, dando início ao estado de exceção com o qual o governo do presidente Fernando Lugo espera combater o violento grupo armado que tem trazido medo para a região.

A medida ficará em vigor por um período de 60 dias a partir da promulgação nesta segunda-feira nos Estados de San Pedro e Concepción, onde atua o Exército do Povo Paraguaio (EPP), um grupo de extrema esquerda que recentemente atacou uma delegacia de polícia de pequeno porte na região.

“Com o estado de exceção, as forças militares também poderão operar na questão da segurança interna. Será feito um trabalho em conjunto com a polícia nacional”, disse o ministro do Interior, Carlos Filizzola, a jornalistas.

O estado de exceção suspende certas garantias constitucionais, como o direito de reunião, e permite que o presidente ordene detenções sem uma ordem judicial. A medida foi bem recebida por muitos moradores do norte, que organizaram manifestações para pedir por segurança.

A lei foi aprovada na quinta-feira passada pelo Congresso, em meio a fortes críticas ao governo por não conseguir capturar os líderes do EPP. Legisladores chegaram a sugerir a possibilidade de um processo de impeachment do presidente caso a medida terminasse sem resultados.

O general de brigada Félix Pedrozo, que foi designado comandante das operações, disse que membros dos três braços das Forças Armadas — Exército, Marinha e Força Aérea — começaram a se mover para o Estado de Concepción, a cerca de 500 quilômetros ao norte de Assunção, para dar início à operação.

“Levamos a quantidade e qualidade de pessoal necessário para o cumprimento desta missão. Colocaremos nossa maior dedicação, esforço e capacidade profissional a fim de cumprir o que nos foi pedido”, afirmou Pedrozo.

O oficial não deu detalhes do número de militares envolvidos e argumentou que as operações anteriores fracassaram por terem divulgado informações demais.

A mídia local relatou a mobilização de cerca de 200 militares em uma caravana de 10 veículos táticos e seis blindados.

Trata-se da segunda vez em que os militares operam na região em menos de dois anos. Durante o estado de exceção declarado em abril de 2010 para combater o EPP, militares e policiais tiveram dificuldades para atuar de forma conjunta e houve tensões constantes entre seus líderes.

Link encurtado:

facebook comments:

Deixe uma resposta

Google Plus site stats
Aviso

Esta seção contém material impróprio para menores de 18 anos.

Você tem certeza que deseja prosseguir sua navegação em conteúdo probido para menores?

Voltar