|

Justiça absolve viúva acusada de matar milionário no RJ

Adriana Ferreira de Almeida, acusada de matar o marido –o lavrador e ganhador da Mega-Sena Renné Senna–, e outros três réus foram absolvidos pela Justiça no início da madrugada deste sábado. A sentença foi lida pela juíza Roberta dos Santos Braga Costa, no Tribunal do Júri de Rio Bonito (72 km do Rio).

O Tribunal do Júri julgou improcedente as acusações contra os quatro réus. Adriana, que chorou ao ouvir a sentença e não quis dar declarações à imprensa, deixou o Tribunal escoltada pela polícia.

Com a absolvição, Adriana terá direito a 50% da herança do milionário, estimada pelo juiz da 1ª Vara Cível de Rio Bonito, Marcelo Espíndola, em R$100 milhões.

A promotora Priscilla Naegelle afirmou que pretende recorrer da senteça “o mais rápido possível”.

Durante a sustentação da defesa, na tarde de sexta-feira, o advogado de Adriana repetiu inúmeras vezes que não havia provas contra a ré. Segundo ele, apenas a interceptação telefônica não era suficiente para acusar a viúva.

Já a Promotoria estabeleceu uma cronologia dos fatos para acusar a ré.

Adriana Ferreira Almeida, acusada de ser mandante do assassinato do marido, Renné Senna

Adriana Ferreira Almeida, acusada de ser mandante do assassinato do marido, Renné Senna

O CASO

Senna foi morto em 2007, dois anos após ganhar R$ 51,8 milhões na Mega-Sena. A viúva teria se aliado a uma amiga e a quatro ex-seguranças do milionário para cometer o crime.

Deficiente físico –Senna teve as duas pernas amputadas por causa da diabetes–, o ex-lavrador foi morto com quatro tiros na cabeça em um bar em Rio Bonito. Almeida é apontada como a mandante do crime.

O ex-PM Anderson Sousa e o funcionário público Ednei Gonçalves Pereira, acusados de serem os autores dos disparos, foram condenados, em julho de 2009, a 18 anos de prisão pelo assassinato de Senna e pelo crime de furto qualificado.

Em junho o juiz Marcelo Chaves Espíndola, da comarca de Rio Bonito, julgou improcedente o pedido de reconhecimento de união estável entre Almeida e Senna.

Desde a morte de René, a cabeleireira trava uma batalha judicial com Renata Almeida Senna, única filha do milionário, pelos bens deixados pelo ex-lavrador. O pedido de reconhecimento de união estável foi feito pela própria acusada

Short URL: http://naoesqueci.com.br/?p=10287

Posted by on dez 3 2011. Filed under Cotidiano. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response or trackback to this entry

facebook comments:

Deixe sua resposta(Os comentários não refletem a opinião do site, o que postar será de sua inteira responsabilidade.)

120x600 ad code [Inner pages]
300x250 ad code [Inner pages]