Folha – Bombeiro suspeito de matar 9 no Paraná nega autoria dos crimes.

Home » News » Folha – Bombeiro suspeito de matar 9 no Paraná nega autoria dos crimes.

By nesqueci on 30 de janeiro de 2011. No Comments

O ex-comandante do Corpo de Bombeiros do Paraná suspeito de matar nove usuários de drogas em Curitiba negou neste sábado (29) ter cometido os crimes. A declaração foi feita em entrevista a um telejornal local, transmitido pela rede Bandeirantes.

Bombeiro suspeito de matar 9 em Curitiba se entrega à polícia
Ex-comandante dos bombeiros do PR é suspeito de matar 9

Na entrevista, o coronel Jorge Luiz Thais Martins, 56, não mostrou o rosto e acusou um policial militar de ser o autor dos crimes, ocorridos entre agosto de 2010 e janeiro deste ano. Martins está preso desde sexta-feira (28), quando se entregou à polícia após a Justiça ter expedido um mandado de prisão temporária contra ele.

O coronel afirmou acreditar que as testemunhas erraram na identificação. ‘Descreveram o autor como um homem de cabelo grisalho e curto. São características que batem comigo mas também com esse outro militar’, afirmou.

Segundo a polícia, o coronel foi apontado como suspeito após ter sido identificado por dois sobreviventes de ataques a usuários de drogas. A polícia acredita que o bombeiro agiu por vingança.

Martins, que comandou a corporação no Paraná de junho de 2007 a dezembro de 2009, teve um filho morto durante um assalto em outubro de 2009. Dois suspeitos, menores de idade e usuários de drogas, chegaram a ser apreendidos, mas foram liberados no ano passado por falta de provas.

Os nove assassinatos ocorreram no mesmo bairro em que o filho do bombeiro foi morto, Alto Boqueirão. Todas as vítimas eram usuários de drogas e, segundo a polícia, não incluíam os suspeitos liberados ou qualquer pessoa relacionada ao crime.

Segundo Martins, o suposto policial militar também teve um parente assassinado na mesma região. ‘Um policial militar, quem sabe morador da região, teve um parente morto com golpes de chave de fenda e jurou morte a todos os ‘nóias’ da região, isso consta nos autos’, afirmou o ex-comandante.

O ex-comandante também disse que sua arma, uma pistola .40, nunca foi usada. ‘Se eu tivesse que matar alguém, mataria a pessoa que matou e atirou por quatro vezes em meu filho. Por que matar nove pessoas que não fizeram nada para mim? São viciados, mas isso é problemas delas, quem sofre é a família deles. Se eu fosse lá matar essas pessoas eu estaria fazendo os pais deles sofrerem o mesmo que eu sofri’, disse.

Na sexta-feira, a Polícia Civil afirmou que o ex-comandante agiu sozinho quando cometeu os crimes, mas contou com a ajuda de outras pessoas ao supostamente ameaçar testemunhas e moradores próximos aos locais das mortes.

A polícia também afirmou que encontrou na casa do coronel uma caixa com munição do mesmo calibre usado em alguns dos assassinatos, e que um dos veículos utilizados nos crimes é do mesmo modelo de um que pertence ao coronel.

O advogado do coronel afirmou na sexta-feira que pretende entrar com um pedido de habeas corpus para soltar Martins. Ele afirmou que está reunindo provas para mostrar que seu cliente não estava em Curitiba quando aconteceram as mortes e chamou de ‘lixo’ os resultados do inquérito da polícia que apontaram o coronel como suspeito.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/868098-bombeiro-suspeito-de-matar-9-no-parana-nega-autoria-dos-crimes.shtml

Relembre o assassinato.

 Jorge Luiz Thais Martins foi baleado por volta das 6h30, quando deixava a namorada, Jéssica Andrade Casas, 21 anos, em casa, no bairro Alto Boqueirão. Ele morreu no local e Jéssica foi ferida no ombro. Jorge e Jéssica foram abordados na Rua Conde de São João das Duas Barras, quando ele estacionou o Gol, em frente à casa da moça. O rapaz entregou a chave do veículo ao assaltante e desembarcou. Jéssica teria tido dificuldades para soltar o cinto de segurança e o bandido a baleou, com um tiro de pistola calibre 765. Vendo a namorada ferida, Jorge lutou com o marginal, que atirou três vezes contra o rapaz.
Em nota, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) disse que não comentaria o assunto e que qualquer ação por parte do coronel é de caráter pessoal, de cidadão comum, sem relação com a instituição. Em entrevista ao telejornal Paraná TV segunda edição, o secretário de Estado de Segurança Pública, Reinaldo de Almeida Cesar, disse que acredita que o coronel se entregará nas próximas horas e que o caso tem toda a prioridade da pasta. “A investigação foi conduzida em uma união da polícia civil e da polícia militar, provando que coordenação entre as duas equipes”, afirmou ele. Fonte: Bem Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *