Estudo aponta 50% do Bacalhau vendido no Brasil é falso.

Home » News » Estudo aponta 50% do Bacalhau vendido no Brasil é falso.

By nesqueci on 13 de abril de 2011. No Comments

A Páscoa se aproxima e o consumidor tem de estar atento para não ser enganado na compra de um dos produtos típicos da época, o bacalhau. Um grupo de pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Unesp) concluiu que diversos outros peixes salgados, mas de menor qualidade e preço, são vendidos como se fossem bacalhau nos mercados, Até mesmo disfarçados entre uma lasca e outra de bacalhau nas bandejas.

Segundo a engenheira química especializada em ciência de alimentos que coordena o grupo, Lea Sant’Ana, é comum a mistura de pedaços de peixes salgados como o Ling, o Zarbo e Saithe, que assim como o bacalhau passam por um processo industrial que o deixa salgado, assim como o bacalhau.

O legítimo bacalhau, porém, é da família Gadus. O popularmente conhecido como Bacalhau do Porto (Gadus mohrua) é tido o mais nobre.

Sem pesquisar e prestar muita atenção, o consumidor pode levar pedaços de outros peixes e não o bacalhau (Foto: Nilton Fukuda/AE)

 

Os estudos começaram em 2000. Uma das diversas pesquisas do grupo comprovou em testes de laboratório que 50% das cerca de 40 amostras analisadas não eram de bacalhau. Todas eram vendidas como se fossem bacalhau na bandeja cortado em lascas.

Visitando supermercados, os pesquisadores detectaram ainda que os outros peixes salgados são vendidos como “tipo de bacalhau”, quando não são.

O chef do restaurante A Bela Sintra, Valderi Gomes, afirma que o problema já é conhecido de quem trabalha com bacalhau. O restaurante já chegou a mandar parte de encomendas de volta para o distribuidor ao perceber que não haviam comprado o bacalhau verdadeiro.

A dica dada por Gomes é reparar no rabo do peixe, que tem a ponta mais comprido do que a dos seus “genéricos”. Quando é vendido em lascas, fica mais difícil. “Percebemos na hora do preparo a diferença. Ele não é tão gostoso quando o bacalhau tradicional. Para o consumidor que não é especialista, fica bem mais difícil perceber.

No bolso

A irregularidade na venda do bacalhau se reflete no bolso do consumidor, que acaba levando “gato por lebre”.

Segundo a advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) Mariana Ferreira Alves, a venda de outros peixes no lugar do bacalhau pode desrespeitar o Código de Defesa de Consumidor de diversas formas.

Pode ser considerada uma prática abusiva, que se aproveita da falta de conhecimento técnico do consumidor, além de haver um vício de qualidade do produto e de publicidade enganosa — quando há encartes informando sobre a venda, por exemplo.

O JT contatou ontem algumas lojas e constatou a diferença de até R$ 15 no quilo de diferentes produtos. No mercado Pão de Açúcar da Alameda Santos, nos Jardins, o bacalhau tipo do Porto é vendido por R$ 32,90 o quilo. O Zaro e o Saithe custam respectivamente R$ 23 e R$ 19,50.

O supermercado Extra da Rua Ibirarema, na Saúde, vendia o quilo do Saithe a R$ 17,90, do Zarvo, R$ 18,90, Porto, R$ 29,90 e Imperial, R$ 31,90 na promoção de quarta-feira. No Carrefour do bairro Casa Verde, os preços variam entre R$ 29 e R$ 35.

FOnte: Jornal da Tarde

———————————————————

Boa a reportagem do Jornal da tarde só tem um item que não colocaram.

Bacalhau não é peixe, é peixe salgado. Assim como o uso do termo “bacalhau” virou costume para desigfnar os “nobres” tambem virou costume para designar “peixe salgado”

Pode haver bachau de qualquer peixe. Está certo colocar “peixe tipo bacalhau”

O que está errado é não colocar o nome do peixe, uma vez que obrigatorio discriminar o produto vendido.

Os supermercados não o  fazem porque raramente esse peixe é o  Gadus morhua ou o Gadus macrocephalus. E fazer isso é agir de má fé.

Na minha humilde opinião acho melhor acostumarem com o sabor do genérico uma vez que os “nobres” se esgotam em menos de 15 anos.

Como foi mostrado comer bacalhau todo mundo quer, ninguem quer é preservar.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *