Em Pato de Minas – Pais levam nove meses para registrar filha com nome de Amora.(e infelizmente consseguem)

Home » Atualidades » Cotidiano » Em Pato de Minas – Pais levam nove meses para registrar filha com nome de Amora.(e infelizmente consseguem)

By nesqueci on 15 de abril de 2011. No Comments

Nove meses depois do nascimento da filha, um casal de Patos de Minas (390 km de Belo Horizonte) finalmente conseguiu, anteontem, registrar a menina com o nome que escolheu: Amora.

O registro havia sido negado pelo cartório da cidade, que considerou que o nome poderia ser vexatório. “Eles levaram por esse lado de modismo, de usar nome de fruta para mulher, o que não tem nada a ver”, disse o advogado da família, Cleanto Braz.

De acordo com Braz, a Promotoria também entendeu que, no nome completo, Amora Motta Lopes, o pré-nome e o nome do meio poderiam ser confundidos com “a marmota”, tornando a menina alvo de piada.

Para os pais, o nome é carinhoso. “A gente brincava que Amora era o feminino de amor. Também gostamos da sonoridade, da sensibilidade do nome”, disse o pai, Márcio Silveira Lopes, 30, músico e auxiliar administrativo.

Nos nove meses em que Amora ficou sem certidão de nascimento, o bebê teve problema com o plano de saúde, no qual só conseguiu ser incluída após ordem judicial, conta o pai. A família também teve receio ao viajar de carro. “Se eu fosse parado, como ia provar que ela era minha filha?”, disse ele.

Em 1ª instância, o juiz determinou que o nome fosse invertido –Amora Lopes Motta. A família aceitou, mas a Promotoria recorreu.

Em novembro, o Tribunal de Justiça permitiu que a menina fosse registrada como Amora. O acórdão diz que “eventuais constrangimentos decorrem de critérios demasiadamente subjetivos”.

O registro de Amora foi feito só anteontem, segundo o advogado, porque o trâmite judicial é demorado.

SUBJETIVO

O acórdão cita a Lei de Registros Públicos, que diz que “os oficiais do registro civil não registrarão prenomes suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores”.

Segundo o professor de direito da USP José Fernando Simão, a regra é subjetiva, mas necessária. “Às vezes, o cartório pode exagerar, mas muitas vezes ele protege a criança. Em época de bullying, ter nome ridículo é mais um motivo para alguém ridicularizar um menor”, diz.

Fonte:Folha de São Paulo

————————————

Infelizmente essa maldade foi concretizada.

Imagine o tipo de piada de mal gosot essa minina vai sofrer. O promotor ainda foi gentil de pensar na piada da marmota.

Mas sabemos que piada com nomede comida geralmente é bem mais ofensiva e menos intelectual se é que podemosconsiderar a piada da marmota assim.

Quero ver oque esse casalde “gênios” fará quando a filha chegar chorando porque os “amigos” ficam indagando proximo a ela “quem nunca comeu amora”.

Essa minina sera vitima das piadas mais chulas e tudo porque os pais acham o maximo ser “exoticos”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *