Em Curitiba (PR) – Suspeito por morte de Louise Sayuri Maeda aponta local do crime

Home » News » Em Curitiba (PR) – Suspeito por morte de Louise Sayuri Maeda aponta local do crime

By nesqueci on 27 de junho de 2011. No Comments

A polícia descobriu o local provável do assassinato da estudante universitária Louise Sayuri Maeda, 22 anos. Com base nos depoimentos dos três suspeitos detidos, o delegado Marcelo Lemos de Oliveira, da Delegacia de Vigilância e Capturas, apurou que a jovem foi morta perto do fim da Rua Nicola Pellanda, em Curitiba. A informação foi dada por Elvis de Souza, 20, detido desde quinta-feira (23). Nesta semana, mais pessoas serão ouvidas pela polícia.

Louise foi baleada na cabeça por dois tiros em um matagal e jogada no Rio Iguaçu, na ponte da Rua Nicola Pellanda. A correnteza a levou até o areal onde foi encontrada, 18 dias depois. A estudante, que trabalhava como gerente de uma lanchonete no Shopping Mueller, Centro Cívico, desapareceu na noite de 31 de maio, e seu corpo foi encontrado na sexta-feira (17/06) da semana retrasada.

Estão presas Fabiana Perpétua de Oliveira, 20, e Márcia do Nascimento, 21, colegas de trabalho da vítima, além de Elvis, dono do carro que levou Louise até o local da execução. Na casa do pai do rapaz, foi recuperada a bolsa da estudante, com todos seus pertences, exceto o aparelho celular. A arma do crime não foi localizada. Nenhum dos detidos tem passagem pela polícia.

Como foi o crime, segundo a polícia

A jovem saiu do trabalho, no dia 31 de maio, junto com as duas colegas que são suspeitas do crime. Segundo o delegado, as contradições nos depoimentos de Fabiana levaram a polícia a desconfiar das versões apresentadas. Foi encontrado ainda, com Márcia, a outra acusada, uma quantia de R$ 2,4 mil, o que seria incompatível com a sua renda.

“A Fabiana disse que se despediu da Louise e que foi pegar o ônibus para ir para casa. Mas nas imagens de vigilância, que conseguimos de um estacionamento, ela não apareceu. Foi a primeira mentira. Depois nós descobrimos, pelo cartão de usuário do transporte coletivo, que ela não tinha pegado ônibus naquela noite. Foi a segunda mentira”, disse o delegado.

Segundo ele, os suspeitos e a vítima foram embora no carro de Elvis em direção ao bairro Tatuquara, onde Fabiana mora. “No caminho, a Márcia simulou estar passando mal e eles desceram do carro. E a Fabiana confessou que a Márcia a mandou colocar as mãos nos ouvidos e aumentar o som, e se afastou com Elvis e Louise”, afirma o delegado.

Na volta, contou Oliveira, Márcia disse para Fabiana, ao ser questionada sobre onde estava a colega, que ela ‘ficou no mato’. O delegado afirmou ainda que Fabiana confirmou no depoimento que ouviu os disparos feitos naquela hora, mas que não fez nada a respeito.

O corpo de Louise foi encontrado na sexta-feira (17), no bairro Campo de Santana, já em decomposição perto de um rio. Exames no Instituto Médico-Legal comprovaram que Louise foi morta com dois tiros na cabeça.

Nos depoimentos, tanto Márcia como Fabiana, confessaram ser usuárias de cocaína. “Mas isso não significa que o crime tenha o tráfico como motivação”, explicou o delegado.

A polícia descartou a hipótese de desvio de dinheiro da iogurteria, na qual a vítima trabalhava como supervisora, como motivação do crime

Fonte:UOl e Banda B AM


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *