Curitiba – Medica do Evangelico tratava pacientes do SUS no ‘se parar, parou’

Home » Atualidades » Cotidiano » Curitiba – Medica do Evangelico tratava pacientes do SUS no ‘se parar, parou’

By nesqueci on 21 de fevereiro de 2013. No Comments


Diminuição nos níveis de oxigênio, desligamento de aparelhos e “abandono” de pacientes que sofriam parada cardíaca. De acordo com ex-funcionários do Hospital Evangélico de Curitiba, essas eram as práticas mais comuns adotadas pela chefe da UTI Geral do hospital, Virgínia Soares de Souza, para antecipar a morte de pacientes. Segundo as denúncias, essa prática era feita com pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), por conta das baixas diárias recebidas pela equipe médica por internamento.

“Quase todo dia havia uma parada cardíaca de paciente do SUS. Eles utilizavam a sigla SPP, que significa ‘se parar, parou’. Então era assim: SUS, deu uma parada cardíaca, ela gritava: ‘SPP’. As enfermeiras já saíam fora, deixavam morrer, não faziam reanimação, nada”, disse a ex-fisioterapeuta do hospital Eliane Campêlo França à rádio BandNews de Curitiba, logo após prestar depoimento ao Núcleo de Repressão a Crimes conta a Saúde (Nucrisa). “Agora, se era paciente de convênio ou particular, daí não. Vamos lá reanimar porque dá dinheiro”, reforçou.

Um ex-enfermeiro do hospital, que não quis se identificar, informou ao Nucrisa que, para os pacientes do SUS, a médica deixava o respirador mecânico com quantidade mínima de oxigênio, o que era suficiente para antecipar a morte. “Eu também já vi ela desligar vários respiradores”, disse. “Já quando era paciente particular, a prática era o contrário, ela fazia de tudo para prorrogar a vida de forma artificial, para aumentar o número de diárias”, informou. O mesmo ex-funcionário declarou que outros três médicos adotavam o mesmo método.

Alegando o segredo de Justiça do inquérito, a Polícia Civil não confirma as denúncias, mas o delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Marcos Michelotto já havia informado, na última quarta-feira, que outros médicos estão sendo investigados e que a polícia já concluiu que a chefe da UTI não agia sozinha. De acordo com Michelotto, os crimes pelos quais a médica está sendo investigada não podem ser classificados como eutanásia: as mortes não ocorreram com o consentimento das vítimas ou das famílias.

O advogado de defesa da médica, Elias Mattar Assad, sustenta que não há provas contra sua cliente e que todas essas denúncias são motivadas por conflitos de relacionamento e problemas internos entre colegas de trabalho. Em 2011, a médica chegou a ser afastada por 30 dias por problemas de relacionamento com seus subordinados na UTI.

A médica era responsável pelos 25 leitos da UTI destinada a pacientes politraumáticos, vítimas graves de acidentes, que chegavam ao hospital através do Siate, do Corpo de Bombeiros. De acordo com o diretor clínico do Hospital Evangélico, Gilberto Pascolat, que está, interinamente, responsável pela UTI, no cumprimento dos mandados de busca e apreensão, a Polícia Civil recolheu prontuários de sete pacientes recentes da UTI, o que indica que a investigação inicial é a respeito de sete mortes com suspeita de intervenção da médica Virgínia Soares de Souza.

Fonte:TERRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *