Curitiba, aqui temos que fazer justiça pelos nossos. A história do desespero de uma mãe.

Home » News » Curitiba, aqui temos que fazer justiça pelos nossos. A história do desespero de uma mãe.

By nesqueci on 6 de Abril de 2011. 1 Comment

Você já imaginou se seu filho, filha, irmão, mãe, pai ou pessoas que você goste e seja próximo fosse assassinada? E se fosse sem motivo aparente? E pior se você nunca ficasse sabendo nem o porquê?

Em Curitiba assim como em vários lugares do país uma mãe chora por um filho que lhe foi tirado sem aviso e sem motivo aparente.
O que me chamou a atenção nessa história que parece comum e corriqueira? O desespero dela, a angústia. Angustia essa que a fez colocar outdoor na cidade para ver se descobre pelo menos porque seu filho Matheus de 17 anos lhe foi tirado.
Por isso faço esse apelo aqui no site, que souber de qualquer coisa sobre o crime favor notificar a Polícia de Curitiba ou a família pelo e-mail celiamaria.maia@ibest.com.br

Quem era Matheus:

MATHEUS HOEPERS, nascido em Curitiba às 12h30 de domingo 26.09.1993. Foi ASSASSINADO EM CURITIBA às 16h de 6ª feira 01.10.2010. Ele acabara de completar 17 anos. Naquele momento ele caminhava com seu contrabaixo indo para à aula de música quando pessoas que estavam numa ecosport preta o alvejaram com um tiro na cabeça e levaram embora sua vida.
Ele tinha planos, pois estava com toda a vida pela frente, estava se formando no 2º grau e já havia se inscrito nos vestibulares.

O crime:
■ O crime ocorreu a três quadras da minha casa – na rua Dona Saza Lattes – quando Matheus estava indo para aula de música. (prova de que os assassinos conheciam alguns hábitos do Matheus);
■ Alguém avisou o pessoal da ecosport preta no exato momento em que o Matheus saiu de casa (prova de que havia alguém bem em frente ao meu condomínio e que conheciam o endereço do Matheus);
■ Assassinos da ecosport vieram da quadra de baixo e se posicionaram na esquina da Rua Ivo Ferro com Rua Prof. Paulo de Assunção – uns 200m adiante da minha casa e aguardaram 10 segundos até o Matheus passar. Quando Matheus passou ao lado do carro eles começaram a seguí-lo; (prova da tocaia e de que foi crime planejado);
■ Passaram lentamente de carro pelo Matheus 3 vezes até abordá-lo (prova da frieza desses covardes, poderiam ter deixado o Matheus em paz mas preferiram executar o plano diabólico até o final);
■ Pararam o carro e abriram a porta para o Matheus entrar, mas ele não aceitou o “convite” (prova que havia pessoa conhecida dentro da ecosport, e não era de confiança do Matheus);
■ Matheus não aceitou a “carona”, então eles fizeram meia-volta com o carro, voltaram e atiraram na cabeça dele para depois fugir em disparada (o objetivo era matar Matheus, pois tinham revólver no carro)

Agora:

São mais de 150 dias sem nem uma resposta. A situação da mãe de Matheus só mostra como a segurança em Curitiba está critica. Em uma semana em Curitiba morre mais de 40 pessoas por crimes violentos. Seja por drogas, transito brigas ou como nesse caso sem razão aparente.
E você acha que alguma coisa está sendo feita? Eu acho que não.
Curitiba está pior que muito PAÍS em guerra e o que o governo faz? cedem policiais para FNSP, como se aqui sobrasse policiais.
Não creio que seja culpa da policia local creio que é um problema básico de governo.
Talvez estejam esperando piorar para poder chamar a FNSP para cá também.

Quer saber mais acesse aqui o blog mantido pela mãe de Matheus http://matheushoepers.blogspot.com/


One Response to Curitiba, aqui temos que fazer justiça pelos nossos. A história do desespero de uma mãe.

  1. Celia Maria Maia   19 de Abril de 2011 at 19:34

    Morrer cheio de saúde é o fim do mundo. A barbaridade da violência deveria ser reprimida com todas as forças do Governo e da Sociedade. Não há motivo que possa justificar um homicídio, ninguém tem esse direito, matar o outro. Em breve estará disponível na internet o vídeo do assassinato e todos ficarão indignados com a frieza e covardia dos criminosos. Matheus era muito gentil e educado com todos. E a Segurança Pública do Paraná … inerte, como está à décadas.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *