Apesar de não ter amostras para comparar EUA afirma que exame de DNA comprova ‘com 99,9% de certeza’ morte de Bin Laden

Home » Atualidades » Apesar de não ter amostras para comparar EUA afirma que exame de DNA comprova ‘com 99,9% de certeza’ morte de Bin Laden

By nesqueci on 2 de Maio de 2011. No Comments

Fontes ligadas ao governo dos Estados Unidos disseram nesta segunda-feira que testes de DNA provaram com “99,9% de certeza”que o líder da rede extremista Al-Qaeda foi morto em uma operação militar americana no Paquistão.

As fontes, citadas por várias agências de notícias, não informaram onde ou como a checagem do DNA foi realizada. Também não houve, até agora, nenhuma declaração oficial do governo americano sobre o teste.

Acredita-se que material genético de familiares de Bin Laden foi recolhido após os atentados de 11 de setembro de 2001, e que estas amostras teriam sido usadas para identificar o líder da Al-Qaeda.

Uma alta autoridade do governo americano afirmou à rede de TV Fox News que um militar de uma unidade antiterrorismo de elite identificou o rosto de Bin Laden ao comparar sua altura, orelhas, nariz e boca a fotos conhecidas do militante.

A fonte também disse à Fox News que o líder da Al-Qaeda aparentava estar vivendo em boas condições, sem sinais de fome ou de danos físicos que pudessem ser causados pelos anos em que passou fugindo.

A correspondente da BBC no Pentágono Katty Kay diz que existem fotos do corpo de Bin Laden. No entanto, a Casa Branca ainda estaria decidindo se irá divulgá-las por que as imagens seriam muito fortes.

Anúncio

A morte de Bin Laden foi anunciada pelo presidente americano, Barack Obama, em um pronunciamento exibido ao vivo pela televisão às 23h35 de domingo em Washington (0h35 de segunda-feira no Brasil).

O líder da Al-Qaeda era acusado de comandar dezenas de atentados, incluindo as explosões em duas embaixadas americanas no Leste da África em 1998 e os ataques de 11 de setembro de 2001, que mataram cerca de 3 mil pessoas no World Trade Center, em Nova York, e no Pentágono, em Washington.

Bin Laden ocupava o primeiro lugar na lista de criminosos mais procurados pelos Estados Unidos, e as forças americanas tentavam capturá-lo desde antes de 2001.

Morte de Bin Laden

Segundo autoridades dos Estados Unidos, Bin Laden foi morto com um tiro na cabeça após resistir à prisão, em uma operação conduzida por uma unidade de elite do Exército americano na cidade de Abbottabad, a 100 quilômetros de Islamabad, no Paquistão.

O líder da Al-Qaeda estava em uma mansão cercada por muros de até seis metros de altura, que era oito vezes maior que outras casas na região e foi avaliada em “vários milhões de dólares”, apesar de não ter telefone ou conexão de internet. A operação teria durado cerca de 40 minutos.

A mídia nos Estados Unidos noticiou que o corpo foi “enterrado no mar” para evitar que o túmulo de Osama Bin Laden fosse tratado como um local sagrado. Isso teria sido feito em menos de 24 horas depois da morte em respeito à prática islâmica.

Reações

O feito foi descrito pelo presidente Obama como “a conquista mais significativa até hoje nos esforços de nossa nação para derrotar a Al Qaeda”.

A notícia foi recebida com festa por uma multidão reunida do lado de fora da Casa Branca, em Washington.

A secretária de Estado Americano Hillary Clinton disse nesta segunda-feira que “a justiça foi feita”, ao comentar a morte de Bin Laden, e lembrou as vítimas dos atentados atribuídos à Al-Qaeda.

“Não foram ataques só contra americanos, embora tenhamos sofrido grandes perdas. Foram ataques contra o mundo inteiro. Em Londres, Madrid, Bali, Istambul e muitos outros lugares, pessoas inocentes, a maioria muçulmanos, foram alvejados”, afirmou.

“Sei que nada pode suprir a falta destas pessoas, mas espero que haja conforto no fato de que a justiça foi feita”, disse a secretária de Estado.

Por sua vez, o movimento islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, condenou o que chamou de “assassinato” de Bin Laden, apesar das relações ambivalentes entre o grupo e a Al-Qaeda.

O premiê do Hamas, Ismail Haniyah, chamou Bin Laden de “guerreiro árabe sagrado” e disse que o assassinato é a continuação de uma política americana baseada na opressão.

No passado, o Hamas tentou, por vezes, se distanciar de Bin Laden temendo que a Al-Qaeda estivesse se apoderando da causa palestina de forma prejudicial ao movimento.

Já Bin Laden criticou o Hamas por participar de eleições democráticas nos territórios palestinos em 2006.

Fontes: BBC Brasil

—————————-

Como só compararam com amostras de irmão é impossivel saber se era ele, pelo menos com 99,9% de certeza.

Qualquer criança sabe que a unica coisa que pode ser provada nesse caso é que tem 99,9% do corpo ser irmão da pessoas que foi retirada a amostra.

Sem falar que esse “enterro” no mar tá pra lá de duvidoso. Vale ressaltar que esse evento culminou na semana em que o presidente Obama apresentou sua certidão de nascimento comprovando sua cidadania.

A quem diga que isso é apenas um plano bem elaborado para garantir as proximas eleições um vez que a popularidade de Obama só caia.

E você oque acha?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *