Ações da Apple caem 7% em Frankfurt com notícia sobre doença de Steve Jobs

Home » News » Política » Economia Mundial » Ações da Apple caem 7% em Frankfurt com notícia sobre doença de Steve Jobs

By nesqueci on 17 de janeiro de 2011. No Comments

A Apple recuou nesta segunda-feira 7% na Bolsa de Frankfurt depois que seu executivo-chefe e co-fundador, Steve Jobs, anunciou novo pedido de licença médica temporária para concentrar-se em seus problemas de saúde.

As ações da Apple desciam por volta das 13h30 (de Brasília) 7%, cotado a 242 euros.

Jobs permanecerá “envolvido nas decisões estratégicas” da companhia, apesar do afastamento temporário, como anunciou em comunicado enviado aos empregados.

No documento explica que comitê executivo da Apple havia outorgado “uma permissão temporária para concentrar-se em sua saúde”, mas que continuará como executivo-chefe.

HISTÓRICO MÉDICO

Em 2004, Steve Jobs descobriu que sofria de um tipo raro de câncer no pâncreas. O tumor foi retirado após uma cirurgia considerada bem-sucedida, mas a informação sobre o assunto só foi divulgada quando ele já estava em tratamento.

Em janeiro de 2009, o executivo anunciou que tiraria uma licença para descansar até o final de junho, a fim de se recuperar de uma doença que o tinha feito perder muito peso. Na época ele explicou que seus problemas de saúde tinham origem em um desequilíbrio hormonal e que o tratamento era “simples e singelo”.

Entretanto, uma semana depois ele anunciou, por meio de comunicado aos colaboradores da Apple, que os médicos haviam verificado que seu problema de saúde era mais complexo do que havia imaginado, por isso se licenciaria.

Seu afastamento e os poucos detalhes divulgados sobre a doença de Jobs geraram especulações e preocupação entre alguns investidores, provocando a desvalorização das ações da empresa.

Em junho daquele mesmo ano, uma reportagem do “WSJ” revelou que ele se submetera a um transplante de fígado.

Um hospital do Tennessee (EUA) confirmou, dias depois, que o executivo-chefe da Apple passara por um transplante, mas que estaria bem e recebera “excelentes prognósticos” dos médicos. De acordo com o Instituto de Transplantes do Hospital da Universidade Metodista em Memphis, ele passou pelo procedimento naquele momento porque era o paciente em situação mais grave na lista.

Dias depois, o executivo já anunciava o retorno ao trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *